3 trilogias em que não sabíamos quem shippar


Um dos jeitos mais comuns de deixar um leitor maluco quanto à um romance é fazendo-o ficar em dúvida em relação à que personagem escolheria se pudesse decidir pelo protagonista do livro. E é aí que se formam os shipps, que é como se os personagens ganhassem o apoio do leitor na hora de decidir quem escolher.

E quando isso acontece numa distopia? Além de pensar em como salvar o mundo, a humanidade e essa coisa toda, o personagem principal ainda tem que lidar com seus sentimentos! Eles sofrem com essa escolha, e nós também. Pensando nisso, nós daqui do Livrofilia juntamos 3 trilogias (isso mesmo minha gente, sofrendo esse dilema durante três livros!) em que a gente não sabe se apoia ou discorda da escolha de par romântico do personagem principal.


[[spoiler]]


A Seleção

https://1.bp.blogspot.com/-V7ix1mgU3LU/WC3MhgDAsiI/AAAAAAAABuw/bBcI9zW8WyYlWzt-DTled6wz1u7srGtNQCLcB/s400/a-selecao.jpg
A Seleção
The Selection
Kiera Cass




Seguinte

Física


Sinopse

Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama. Abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe - e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que nunca tinha ousado imaginar.


Uma das coisas que America mais temia perder caso fosse uma das sorteadas para a Seleção era Aspen. Namorava às escondidas com ele tempo o bastante pra odiar a hipótese de se casar com um completo estranho, mesmo que esse estranho fosse, literalmente, um príncipe. Mas Aspen é o tipo de cara que está disposto a sacrificar o que for possível pra dar uma vida melhor aos que ama, mesmo que isso signifique que tenha que trabalhar até quase morrer de exaustão ou deixar a pessoa que ama se casar com outro cara. E foi justamente esse amor todo que parece ter feito com que America fosse uma das Selecionadas, já que Aspen não a deixou desistir dessa oportunidade, pedindo à ela que ao menos tentasse pra que ele não ficasse com a consciência pesada por não ter lhe dado uma chance de ter uma vida melhor.


Carregava nas costas as necessidades de todas as pessoas que amava. Como que por milagre, eu me tornei uma delas, e tentava pesar o mínimo possível.


Enquanto estava na fila pra entregar os formulários pro sorteio e tirar a foto que seria anexada ao documento, America acaba ouvindo a mãe de Aspen dizer que ele parecia já ter alguém em mente quando se tratava de casamento, e que qualquer garota que o fizesse feliz já seria uma filha pra ela. Daí, com um sorriso de orelha a orelha e certa de existiam muitas outras garotas aparentemente melhores concorrendo também, ela se sente mais tranquila do que nunca pela confiança de que ser escolhida era praticamente impossível, e que assim poderia viver pra sempre com Aspen e tudo mais. Porém, numa tentativa de agradá-lo e com a melhor das intenções, America acaba tendo seu coração partido pela decisão dele de terminarem tudo ali.

Ao ser, pra sua própria surpresa, escolhida pra disputar a coroa e o coração do tão aclamado príncipe Maxon, ela se vê obrigada a deixar pra trás sua família, seu modo de vida e seus sentimentos por Aspen. Apesar de tudo, aquela até que seria uma boa oportunidade pra comer bem, pelo menos por alguns dias. Se apaixonar pelo tal príncipe? Totalmente fora de cogitação. America torcia o nariz só de pensar em ficar perto dele, que parecia perfeitinho demais pra ser alguém realmente interessante. Pelo menos era o que ela pensava até começar a conhecê-lo melhor de um jeito um tanto inusitado, prometendo-lhe ser nada mais nada menos do que uma amiga que o ajudaria a escolher uma das outras meninas como esposa.

O negócio é que essa amizade realmente dá certo, e conforme vão descobrindo mais sobre o universo um do outro, acabam nutrindo um "algo mais". Mas não é como se America conseguisse esquecer tudo que havia vivido com Aspen, e aparentemente um elo invisível ainda os unia.


Ele oferecia controle ao caos dela; ela, leveza à seriedade dele.


Ela descobre em Maxon qualidades que fazem dele mais do que apenas um rostinho bonito pelo qual tantas meninas são apaixonadas. Mas Aspen tem seu coração de um jeito único. E agora?


Jogos Vorazes

https://3.bp.blogspot.com/-iZUI9w63MUg/WC3QPni2z-I/AAAAAAAABvE/JediANPIrvsyeolw8uo3_F51Dlu0y30IgCLcB/s400/jogos-vorazes.jpg
Jogos Vorazes
The Hunger Games
Suzanne Collins




Rocco

Física

http://www.livrofilia.com/2016/08/resenha-jogos-vorazes.html

Sinopse

Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte! Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, um garoto que ajudou sua família no passado, também foi selecionado. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos Jogos Vorazes?


Katniss Everdeen nunca foi de muitos amigos. Quem mais chegava perto disso era Gale Hawthorne que, assim como Katniss, caçava ilegalmente na floresta do Distrito 12 pra alimentar a família após a morte do pai. Ela jamais negou à si mesma o quanto o achava bonito; sempre ouvia alguma menina cochichando sobre ele na escola. Mas pra Katniss, ele sempre foi seu bom e velho companheiro de caça, e esse parecia o maior dos motivos que ela tinha pra confiar nele mais do que em qualquer outra pessoa. Tanto que depois que Prim é escolhida na Colheita pra entrar nos Jogos e Katniss se oferecer pra ir no lugar dela, é pra Gale que ela pede pra cuidar da sua família.


Na floresta espero a única pessoa com quem eu posso ser eu mesma. Gale. Eu posso sentir os músculos do meu rosto relaxando, meu passo apressando enquanto eu subia as colinas para o nosso lugar, uma orla de pedra com vista para o vale. A visão dele me esperando lá me trouxe um sorriso. Gale diz que eu nunca sorrio exceto na floresta.


É apenas dentro dos jogos que ela percebe o quanto gosta dele, e é lá também onde ela descobre que Peeta Mellark, o amável filho do padeiro do Distrito 12 que já havias salvado sua vida antes, é apaixonado por ela desde criança. Fingir que corresponde à esse amor acaba salvando sua vida nos Jogos, garantindo que tanto ela quanto Peeta possam voltar pra casa. Mas quanto mais ela se aproxima do seu lar, mais confusa fica. Ela sabe que precisa continuar se pseudo-relacionamento com Peeta à mando do Presidente Snow, e também sabe o quanto ele realmente gosta dela. Mas ela conhece Gale desde sempre, e ele expõe seus sentimentos à ela quando ela volta.


Também quero dizer a ele o quanto já estou sentindo a sua falta. Mas isso não seria justo de minha parte.


É claro que, com o fato de ela não ter sobrevivido sozinha aos temidos Jogos Vorazes, rebeliões começam a acontecer em todos os Distritos, e Katniss tem que lidar com isso também.

Mas nós também ficamos nesse dilema durante os outros livros da trilogia: o melhor amigo de sempre ou o cara que é apaixonado por ela desde sempre? Eis a questão.


Maze Runner

https://4.bp.blogspot.com/-fV7z6_1lVQQ/WC3Q0GeWfdI/AAAAAAAABvI/YFXmT3V0VCckUKz3NWgPtRrOn1J0yekHgCLcB/s400/the-maze-runner0.jpg
Maze Runner: Correr ou Morrer
The Maze Runner
James Dashner




V&R

Física

http://www.livrofilia.com/2016/12/resenha-maze-runner-correr-ou-morrer.html

Sinopse

Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho. Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam 'A Clareira', um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo. Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr... correr muito.


Teresa, a garota primeira garota à chegar pela caixa na Clareira, mexe com a cabeça de Thomas a partir do momento que chega lá. Literalmente. Mesmo quando estava desacordada, a intimidade entre os dois é tanta, que ela surge nos seus pensamentos sem aviso prévio. Ele não consegue lembrar de muita coisa sobre seu passado, mas tem certeza absoluta de que ela esteve nele. As coisas parecem começar a se encaixar pros dois quando eles conseguem sair do Labirinto, mas a vida volta a virar de cabeça pra baixo quando eles descobrem que jamais se livraram do CRUEL, uma Organização científica capaz de tudo pra encontrar uma cura pra um vírus que tomou conta do mundo.

De algum modo, Thomas continuava a perceber a presença de Teresa, apesar do longo silêncio que se fez. Ele a sentia. Era quase como a certeza de que Minho estava deitado a pouco mais de um metro, no beliche de cima, embora não pudesse ver o amigo. E não era só por causa do ronco. Quando alguém de quem se gosta está perto, a gente simplesmente sabe.

O Labirinto foi apenas uma fase dos testes realizados para encontrar a tal cura, e a próxima fase inclui separar Teresa dos Clareanos e colocar um garoto chamado Aris em seu lugar. Além de fazê-los atravessar um deserto como mais um de seus experimentos, claro. Enquanto faz de tudo pra sobreviver à mais esse teste com seus amigos, Thomas não consegue evitar sentir uma certa preocupação com Teresa, sem saber ao menos se ela continua viva.

Enquanto atravessa o deserto ele conhece Jorge, um cara que promete ajudá-los a atravessar o deserto, se também puder ter a tão desejada cura no final. Tomando a frente do grupo, Thomas concorda com a proposta. Mas algo acontece e acaba o separando dos outros meninos e o deixando sozinho com Brenda, uma garota pra lá de ousada que parece saber muito bem como é o mundo fora dos cuidados do CRUEL, e promete ajudá-lo. Por mais que tente, ele não consegue parar de pensar em Teresa, como na época da Clareira.

Brenda se encaminhou para o lado oposto onde Thomas estava, ele jurou que, assim que estivessem longe dali e em segurança, ele a chamaria para uma longa conversa. Gostava dela e desejava, no mínimo, ser seu amigo. Mais importante ainda era que agora tinha, em relação à ela, um sentimento muito parecido ao que nutria em relação a Chuck. Por alguma razão, um senso de responsabilidade por ela o havia dominado.

Thomas não sabe ao certo se ele e Teresa foram de fato mais do que apenas bons amigos como tudo indica, mas sente que eles se conhecem uma vida inteira. Diferente de Brenda, com quem ele acaba desenvolvendo uma amizade que ultrapassa os limites da pura conveniência.


***

Mas e você? Já ficou em dúvida se shippava algum casal literário, ou já shippou um casal e no final eles não ficaram juntos? Conta pra gente! 😉

[[camila]]

Comentários

Clique aqui se os comentários não aparecerem.