Entrevistando Autores - Elisangela Domingos da Silva



E se você morasse em uma cidade mal assombrada? Saiba mais sobre essa história em mais uma entrevista no nosso blog.

Oi, amores! A entrevista de hoje foi feita com um dos autores desta antologia assustadora. Fique, desta vez, com a autora Elisangela Domingos da Silva.

Veja outras entrevistas do Livrofilia:
Rafael Martins
Ivan V. Levy
B. Demetrius
Márcio Muniz
Tiago Júlio Martins
Fábio Feminella
Adrieni Latorre Real


[[ad]]

Elisangela Domingos da Silva

Lisa Hallowey é o pseudônimo de Elisangela Domingos da Silva e é natural de São Paulo. Já participou de algumas antologias pela Editora Illuminare. Também participou e ganhou em 1° lugar, com a categoria Illuminare, o 1° Concurso Internacional de Escritores Malditos, da mesma editora. Ficou em 4° lugar no FLAL - Concurso de Contos e Poesias, com uma poesia, e participou de uma Oficina Literária, onde o livro será publicado esse ano, Avenida Murkinesse 666. É colunista da Revista Litere-se.



Entrevista

Livrofilia: Quando e onde surgiu a vontade de escrever?
Elisangela: Bom, eu comecei a escrever na sétima série, por causa de um projeto de um professor de português. Aí comecei a escrever, mas sempre jogava fora. Comecei a escrever e deixar as pessoas lerem, faz mais ou menos uns dois anos e meio.

Livrofilia: Qual foi o seu primeiro livro escrito? De onde surgiu a ideia de escrevê-lo?
Elisangela: Foi Meu Lado Sombrio, da editora Illuminare. Alguns amigos que me falaram dela, e me convenceram a escrever um conto para essa antologia, já que eu amo esse assunto.

Livrofilia: Você viveu situações parecidas com suas histórias? Poderia citar alguma?
Elisangela: Não. Só os poemas que tem um pouquinho de mim. É uma forma de desabafo.

Livrofilia: Você escreve pensando na reação que o leitor pode ter com determinado acontecimento?
Elisangela: Sim. Procuro deixar eles perplexos.

Livrofilia: Qual foi ou qual está sendo a maior dificuldade enfrentada por você como autora?
Elisangela: Acho que não só eu, mas todos que começaram agora, serem reconhecidos. Porque aqui no Brasil, isso ainda é um problema. As pessoas dão mais valor à literatura estrangeira. E eu, por ser uma escritora de antologia, acho que fica até um pouco mais difícil.

[[ad]]

Livrofilia: Poderia dar algumas dicas pra quem pretende seguir a carreira de escritor?
Elisangela: Surgiu ideia, escreva. Não se preocupe se a ideia é absurda. Com o que os outros vão falar ou pensar. Apenas escreva. Deixe sua mente brincar.

Livrofilia: Quando surgiu a vontade de ser escritora, você teve um(a) grande incentivador(a)?
Elisangela: Na verdade, nunca tive vontade de ser escritora. Isso era um hobby, apenas. Uma forma de desabafar. Mas assim que comecei a mostrar meus rabiscos para alguns amigos, tive muito incentivo, principalmente de um grupo que eu considero uma família no face. Eles são meus maiores incentivadores.

Livrofilia: Há a possibilidade de um dia você largar a vida de escritora? Já havia pensado no assunto?
Elisangela: Como eu disse, eu nunca imaginei ser escritora. Mas agora, como o negócio ficou sério, não, não penso nessa possibilidade. Mesmo que eu pare de publicar, continuarei a escrever. Essa é minha forma de me libertar dos meus pensamentos, d'eu ser livre para ser o que quiser.

Livrofilia: Como você se sentiu quando terminou de escrever seu primeiro livro ou conto?
Elisangela: Orgulhosa. Nunca pensei que poderia ter escrito aquilo. Era como se eu estivesse vendo meu primeiro filho. E é sempre um alívio quando você termina uma história.

Livrofilia: Gostaria de deixar um recado para os leitores? Se sim, qual?
Elisangela: Deem mais valor à literatura brasileira. Existem muitos escritores fantásticos, basta vocês darem uma chance a eles de mostrar seu talento.


Seu livro

https://2.bp.blogspot.com/--4-2P7mi4AQ/WNatGXRD_eI/AAAAAAAABLw/GtOqFlpcrwolTUq7KoCY5_aFW5DEWiM2gCLcB/s320/1d5402217093845_1120297468100104_1948505145_n.png
AVENIDA MURKINESSE 666

Elisangela Domingos da Silva




Illuminare

Física

Sinopse:
A CIDADE - Uma cidade onde a poeira está sempre no ar e nas noites, que em geral possuem muitas nuvens, a lua quase não ilumina as estreitas ruas e as malfadadas avenidas. Localizada próxima ao Deserto de Tule, Arizona, EUA, a pequena cidade está na divisa com o México, favorecendo o aparecimento dos mais inusitados e insólitos personagens.

A CONSTRUÇÃO - Na pequena cidade, um velho prédio tem uma história triste e macabra. Localizado na Avenida Murkinesse 666, o prédio foi construído pelo governo na década de 50, para ser cedido a famílias necessitadas. Muitas dessas famílias passaram a habitar o prédio, e tiveram ali suas histórias interrompidas quando na década de 60 múltiplos assassinatos mancharam de sangue as paredes e escadarias do sinistro prédio. Em cada apartamento morava uma ou mais crianças.

A NOITE DO INFERNO - Na madrugada do dia 31 de outubro de 1966 por volta das três da madrugada, a eletricidade do prédio foi subitamente interrompida (ou cortada) e na escuridão total, passos apressados se ouviram nos corredores de todos os andares. Portas foram abertas e todas as crianças foram arrancadas de seus apartamentos. Suas famílias, em desespero, saíram à procura de seus filhos, netos ou sobrinhos. Mas na noite escura nada se podia fazer. O dia amanheceu e na portaria do prédio um rastro de sangue levava ao final da avenida, onde os corpos de todas as crianças jaziam mutilados.

A polícia foi acionada, e interditaram todo o prédio. As famílias foram relocadas em outros lugares e as investigações duraram meses, sem encontrar explicações ou suspeitos. Na dúvida, o prédio ficou interditado e com o tempo passou a ser uma construção abandonada.

NOVOS MORADORES - O tempo passou e na virada do século, mais precisamente no ano 2000, o governo local fez umas poucas reformas no prédio e o liberou para moradia de famílias consideradas marginalizadas.

Sem cobrança de aluguel, qualquer família que chegasse ao prédio, e tivesse coragem, poderia habitá-lo. Aos poucos, drogados, prostitutas, jogadores e diversos indivíduos de moralidade dúbia tomaram conta do prédio e seus devidos apartamentos.

DIAS ATUAIS - Em 2016, o prédio possui cinco andares, quatro apartamentos por andar e todos os apartamentos ocupados pelos mais diferentes moradores. Do quinto andar, todos os apartamentos têm vista para o pequeno cemitério onde descansam os restos das crianças mortas na Noite do Inferno.

Mas quem mais mora no 666 da Murkinesse? Quem são as crianças que acenam pelas janelas do prédio em certas noites escuras? Porque tanto barulho nos corredores ao se aproximar as três da madrugada? Quem são os verdadeiros e atuais moradores desse prédio tão cheio de escuridão e sombras?

Cada apartamento um conto, cada conto um morador, cada morador uma história sinistra e terrivelmente inesquecível.


O livro Avenida Murkinesse 666 é uma antologia. Cada autor escolhido para participar deste livro, se tornou morador de um apartamento. Cada conto ocorre no aparamento do seu autor, lá desenrola-se histórias assustadoras e com muito mistério. Se você ficou curioso, assim como eu, entre no site da editora Illuminare e veja todas as informações deste livro que promete te amedrontar. Siga a Elisangela nas suas redes sociais e fique sabendo de tudo o que a autora planeja para os seus próximos escritos.

Esse livro surgiu oriundo de uma atividade prática no desenvolvimento da escrita criativa na técnica literária “muitas mãos” onde muitos autores criam histórias entrelaçadas dentro de um enredo único. Essa atividade concretiza a conclusão do curso I Oficina Literária Avenida Murkinesse 666 – contos de terror e suspense – 2016. Cada um dos autores componentes desse livro criou um conto em harmonia com o enredo central, como requisito para aprovação com louvor no presente curso.
— Elisangela Domingos da Silva


Links da autora e seu livro:
Perfil do Facebook | Página do Facebook | Compre o livro


***

Ressaltamos que as entrevistas irão ser postadas de acordo com a ordem dos envios que recebemos.

Agradecemos muito a autora Elisangela Domingos da Silva, que aceitou participar da entrevista e nos autorizou a publicação das informações do livro Avenida Murkinesse 666, foi um grande prazer conhecer um pouco mais sobre você. Desejo muito sucesso para a autora Elisangela e para os outros autores desta obra. Muito obrigada. :) Ah, fico contente em saber que a autora nunca viveu nada parecido com os seus contos. Já pensou viver em um conto de terror? Tenho certeza que não seria nada bom hahaha.

E se você, leitor, gostou da entrevista, deixe seu comentário aí em baixo e diga o que achou. ♥

[[emi]]

Comentários

Clique aqui se os comentários não aparecerem.