Entrevistando Autores - Ivan V. Levy



Confira mais uma entrevista no Livrofilia. Dessa vez com o querido autor Ivan V. Levy.

Olá, pessoas! Continuando a nossa série de posts de entrevistas com autores nacionais, hoje trago para vocês mais uma entrevista com um querido autor nacional e sua obra. Vos apresento o autor Ivan V. Levy.

Veja outras entrevistas do Livrofilia:
Rafael Martins
B. Demetrius
Márcio Muniz
Tiago Júlio Martins
Fábio Feminella


[[ad]]

Ivan V. Levy

Nasci em 1973. Sou o autor de Canto Negro e também do livro Mil Trezentos e Treze. Já trabalhei como ghostwriter para outros autores, e atualmente não moro no Brasil. Sou um escritor de mus hábitos, viciado em cinema, e que gosta um pouco demais do obscuro. Comecei a escrever tarde e não pretendo parar logo. Paralelo a um trabalho formal, também sou tarólogo.




Entrevista

Livrofilia: Quando e onde surgiu a vontade de escrever?
Ivan: Bom, sempre gostei muito de ler, e também tenho fascínio pelo mundo da ficção. Por consequência comecei a escrever, mas não levava isso à sério, então concentrava os esforços na atividade de ghostwriter. Foi o incentivo de meu padastro que me levou a escrever histórias originais, de autoria própria..

Livrofilia: Qual foi o seu primeiro livro escrito? De onde surgiu a ideia de escrevê-lo?
Ivan: Meu primeiro livro foi Mil Trezentos e Treze, completado em 2012 e lançado em 2014 no formato ebook pela editora Copacabana. O enredo nasceu da composição dos próprios personagens, e do desejo de brincar com um tema antigo e recorrente (a jornada): dois irmõs, Szever e Dmiter, desprovidos de senso moral, quase em estado bruto, e do que poderiam fazer tendo em mãos um conhecimento potencialmente perigoso, que tipo de estrago isso traria. No outro extremo, Roderigo, o personagem que meio que os acompanha (ou persegue...), imprevisível e violento, por vezes protetor ou algoz, de origem imprecisa, e que nem sempre mede as consequências do que faz. O cenário, o Leste da Europa no período medieval, foi um palco interessante para trabalhar a ideia de bruxaria como ela se apresenta em Mil Trezentos e Treze, diferente das abordagens mais comuns (Europa ocidental, França e Inglaterra).

Livrofilia: Existe uma história ou motivo para você ter escolhido esse nome para o seu livro?
Ivan: Mil Trezentos e Treze é justamente o ano em que se passa a maior parte da trama deste romance. É uma data emblemática, um número de diversos significados (históricos e místicos), e adequado ao contexto obscuro da própria história.
Já Canto Negro é um título que vem do sentido de um cântico, um segredo, algo misterioso e iniciático, um aspecto que se repete no livro do começo ao fim.

Livrofilia: Quais são os seus escritores e livros favoritos?
Ivan: Vários. Vou citar alguns porque seria impossível citar todos! Citando autores, Gabriel García Márques, Yslaire, Sylvie Germain, V. C. Andrews, André Vianco, Marina Colasanti, Pablo Neruda... Falando sobre livros, me vem à cabeça imediatamente A Voz do Fogo (Alan Moore), O Garoto Persa (Mary Renault), O Incêndio de Tróia (Marion Zimmer Bradley), Moby Dick (Herman Melville).

Livrofilia: Você escreve pensando na reação que o leitor pode ter com determinado acontecimento?
Ivan: Não. Desta forma o efeito seria artificial, se eu escrevesse tentando prever a reação do leitor. Prefiro que aconteça naturalmente, portanto as coisas ocorrem nas histórias que escrevo com o propósito de servirem à trama. Em Canto Negro uma leitora disse achar engraçada uma determinada cena de perseguição, a qual outro leitor disse ser assustadora, e isso foi ótimo! Se eu conseguir arrancar um susto ou um sorriso do leitor, será uma vitória!

Livrofilia: Você tem muitos projetos em mente? Poderia nos contar algum?
Ivan: Não posso entrar em detalhes, mas posso dizer que meu próximo projeto é diferente de meus dois primeiros livros, e bem mais leve também. Sem sustos, eu prometo! É tudo o que posso dizer!

Livrofilia: Você costuma fazer algum "ritual" antes de começar a escrever? Existe uma fonte de inspiração antes de começar?
Ivan: Não tenho nenhum ritual, mas sou uma pessoa de hábitos. Prefiro escrever de madrugada, quando tenho algum sossego, e em silêncio para evitar distrações, ou com alguma música que dê o tom do que estou escrevendo. Mas não é regra.

A inspiração é a próprio texto, cada um tem elementos chave, personagens, motivações, situações, e cada texto tem seu gatilho. Para Mil Trezentos e Treze, a inspiração era o extremo, a ambiguidade, ver até onde poderia "assoprar até derrubar". Em Canto Negro, contando de personagens que mudam ao longo da trama, que passa por um intervalo de mais de dez anos, a inspiração vinha de observar o quanto o jogo pode virar para quem aposta alto demais.

Livrofilia: Como você veria uma crítica relacionada ao seu livro?
Ivan: Vejo a crítica como uma experiência positiva, até quando a crítica é negativa. Vou explicar: uma crítica negativa, porém embasada nos motivos certos e com voz própria, é algo maravilhoso. Qualquer crítica que seja baseada somente no "li a sinopse e não gostei" não deveria ser considerada válida, assim como pontos de vista que apenas repetem a voz de um grupo ou formador de opinião, sem observar de fato o que está sendo comentado. Se a crítica é honesta e necessária, eu abraço!

Livrofilia: Qual foi ou qual está sendo a maior dificuldade enfrentada por você como autor?
Ivan: A mesma dificuldade de todos os autores: encontrar um casa editorial. Hoje em dia há uma confusão entre editoras e gráficas que se dizem editoras. Por outro lado, até nas editoras tradicionais há problemas, um deles sendo a tendência a dar uma visibilidade maior para autores que são certeza de venda e público, e abandonar os outros títulos da casa. O autor tem sua responsabilidade de divulgar seu nome? Sim. Mas tornar um título conhecido não depende somente deste fator.

Livrofilia: Gostaria de deixar um recado para os leitores? Se sim, qual?
Ivan: Quero agradecer a oportunidade de dar esta entrevista, e espero que eu tenha pelo menos plantado a semente da curiosidade em vocês, não somente para meus livros, mas da mesma forma para tantos e tantos autores que, como eu, estão trabalhando e ficam à sombra dos grandes. Outra coisa: leitor, leia livros que você realmente deseja ler, que te completam e te dizem alguma coisa, e não os livros que as pessoas querem que você leia. Obrigado! :)

Seu livro

https://2.bp.blogspot.com/-BLCTT7geTA4/WLnHK4NaMfI/AAAAAAAABDI/N_tsIjY83KsdnHxqa6Q7JVqguJPCrYYTACLcB/s1600/3f51bd3cn_skoob.jpg
Canto Negro

Ivan V. Levy




Hoo Editora
208
Física

Sinopse: "Na Itália renascentista, religião e política caminham juntas. A vela no altar pode ser acesa tanto para Deus quanto para o diabo. A certeza da impunidade e um ato perverso bastam para romper o frágil limite entre o bem e o mal. Caído em desgraça após ser afastado da Igreja por razões indizíveis, o desejo de recuperar seu antigo prestígio leva Prósper até Siena, onde descobre que sua experiência de exorcista não o preparou para o oponente que iria encontrar. Quando finalmente conhece as consequências de seus próprios atos, Prósper se vê em uma armadilha da qual não sabe se quer sair, porque talvez seja o único capaz de deter o que ele mesmo começou.


O livro Canto Negro do autor Ivan V. Levy, pode ser adquirido no site da Hoo Editora, na Amazon e pode também ser adicionado no Skoob também. E para quem se interessou pelo trabalho do autor e quiser saber um pouco mais sobre ele e o seu livro, siga-o em suas redes sociais e fique sabendo de tudo.

Siga o autor nas redes sociais:
Perfil do Facebook | Página do Facebook


Ressaltamos que as entrevistas irão ser postadas de acordo com a ordem dos envios que recebemos.

Fiquem de olho no Livrofilia, pois estamos organizando outras entrevistas para apresentar a vocês muitos outros autores.

Agradecemos ao autor Ivan V. Levy que aceitou participar da entrevista e nos autorizou a publicação de sua obra em nosso post, foi uma grande honra conhecer um pouco mais sobre você. E gostaria também, de dizer que eu (Emily), autora deste post, gostei muito de suas respostas e me identifiquei com algumas coisas que você citou, como preferir o silêncio e a madrugada para escrever. Como já foi dito, foi uma honra tê-lo aqui. Obrigada. :)

***

Gostou da entrevista? Me conte o que achou. Deixe sua opinião aí em baixo, nos comentários. ♥

[[emi]]

Comentários

Clique aqui se os comentários não aparecerem.